Redes socias

Brasil Multi Vídeos

Brasil Multi Vídeos
O seu canal de entretenimento

RDS

sábado, 30 de abril de 2016

A imagem de Nossa Senhora Aparecida visita Tacaimbó




   Nessa semana a população Católica de Tacaimbó, foi presenteada com a visita da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Entre missas, terços e visitas, os dois dias que a Virgem Santa passou aqui, seus romeiros fizeram uma linda festa em sua volta.

   Chegado de Cachoerinha na segunda-feira (25/04) à noite, uma grande e bela passeata, acompanhada de uma carreata, recepcionaram a Mãe Rainha, e lhe levaram até a igreja 
Matriz, onde foi realizada uma missa de boas-vindas.




 
    Na terça dia 26 de tarde, a mãe de Jesus visitou a zona rural, arrastando várias pessoas, três distritos, Boa Vista de Cima, Melancia e Riacho Fechado, receberam a sua visita em peregrinação.




   No seu terceiro e dia aqui, quarta-feira (27/04), Maria passou em três capelas da nossa cidade, cumprindo seus últimos atos aqui. De noite uma multidão de romeiros em carros, vans, motos, e se não me engano um ônibus, se despediram da imagem de Santa, levando-a para São Caetano aonde está continuando a sua peregrinação.





sexta-feira, 29 de abril de 2016

Funcionários e profissionais de saúde do Hospital Santa Efigênia recebem orientações sobre como lidar com pacientes sob suspeita de Influenza A H1N1


Enviado por: Jornalismo Oficina Comunicação





   A Secretaria de Saúde de Pernambuco divulgou nesta quinta-feira, 28 de abril, novo boletim com dados sobre óbitos causados pelo vírus Influenza A H1N1 no Estado. Quatro pessoas morreram em decorrência da doença, todas no Recife. Outras mortes ocorridas em Pernambuco ainda estão sob investigação da Secretaria. O boletim mostra ainda que foram notificados 238 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com 19 deles sendo confirmados de Influenza A H1N1. Em relação ao mesmo período de 2015, foram 342 casos de SRAG, porém sem registros de H1N1. Sobre casos de síndrome gripal, consideradas mais leves, foram feitas 193 coletas: 33 delas tiveram resultado positivo para Influenza A H1N1.

   Consciente da realidade da doença em Pernambuco, o Hospital Santa Efigênia, de Caruaru, realizou uma palestra para funcionários, profissionais da saúde e diretoria da unidade para alertar a todos sobre como lidar com pacientes sob suspeita de estarem com o vírus. As orientações foram passadas pelo médico infectologista Moacir Jucá, que faz parte do quadro médico do HSE. Ele mostrou a situação da infecção pelo vírus Influenza A H1N1 no Estado e a importância de se ter informações sobre a precaução e o tratamento desses pacientes.

   “A nossa preocupação é com os nossos colegas de Hospital e, claro, com os nossos pacientes. Abordamos as indicações de tratamento, indicações de internamento, medidas de precaução dentro do Hospital pra evitar a disseminação e a prevenção também para a população em geral. Essas informações devem ser disseminadas junto aos outros profissionais do Hospital que não estiveram na palestra e dentro das próprias famílias dos funcionários”, explicou o médico.

   Sobre a vacina, Moacir Jucá acredita ser esta uma das melhores alternativas para evitar o contágio: “a procura pela vacina é pertinente, principalmente, para os grupos de risco como idosos, crianças menores de cinco anos, diabéticos, obesos, pacientes com doenças crônicas, gestantes e os profissionais da saúde. As pessoas que puderem ter acesso à vacina, mesmo que não seja pelo SUS, porque o órgão só fornece para esses grupos específicos, se tiverem condições também merecem porque vão ficar protegidos neste ano da infecção pela Influenza A H1N1”.

   O diretor-presidente do HSE, Milton Chaves, também participou do evento. Para José Pereira Galvão Júnior, diretor-médico do Hospital, palestras como esta são de suma importância para o bom serviço da unidade de saúde e para a formação dos profissionais: “a educação continuada e atualizada é fundamental para o profissional de saúde, especialmente, para os médicos, pois o diagnóstico precoce da doença e, consequentemente, o início rápido do tratamento específico é sem dúvida um divisor de águas entre a sobrevida ou óbito do nosso paciente”, ressalta.