Redes socias

Brasil Multi Vídeos

Brasil Multi Vídeos
O seu canal de entretenimento

RDS

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Câncer infantil é a segunda maior causa de morte entre crianças e jovens de 0 a 19 anos

Se detectado precocemente, as chances de cura são de 80%


   O mês de setembro procura trazer um alerta para profissionais de saúde, pais e a sociedade em geral sobre um importante tema, o câncer infantil. A campanha Setembro Dourado, incentivada pelo Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) e várias instituições de referência no tratamento contra a doença, busca estimular a detecção precoce do câncer, que aumenta as chances de cura e minimizar possíveis sequelas físicas e psicológicas. Apesar de raro, representando de 1% a 3% de todos os tipos de câncer em qualquer idade, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), 12.500 jovens devem ter tido a doença em 2018, ocasionando 2.704 mortes. 

   Os cânceres são as principais causas de morte por doença entre 0 a 19 anos, atrás apenas das causas externas, os acidentes. Porém, se identificado no início, essa realidade pode mudar e as chances de cura são de quase 80%. Perda de peso contínua e inexplicável, dores de cabeça com vômito de manhã, inchaço ou dor persistente nos ossos ou articulações, protuberância ou massa no abdômen, pescoço ou qualquer outro local, desenvolvimento de uma aparência esbranquiçada na pupila do olho ou mudanças repentinas na visão, febres recorrentes não causadas por infecções, hematomas excessivos ou sangramento, geralmente repentinos, palidez perceptível ou cansaço prolongado – são alguns sintomas de doenças mais comuns, mas que podem identificar o aparecimento do câncer. “É necessário que as crianças tenham o seu desenvolvimento acompanhado por um profissional de saúde durante toda sua infância e juventude, assim eles podem identificar quando esses sintomas não estão relacionados com doenças comuns da infância, como viroses e resfriados”, destaca o oncologista pediátrico do HCP, Dr. Tadeu Calheiros.

   Diferente do câncer em adultos, que afeta as células que recobrem os diferentes órgãos, o câncer nas crianças geralmente atinge as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação. Mundialmente, a leucemia corresponde à maioria dos casos, seguido pelo tumor cerebral. Tumor de Wilms (afeta os rins), retinoblastoma (afeta as células que formam a retina), neuroblastoma (tumor fora do cérebro), Rabdomiossarcoma (câncer de partes moles – músculos), tumores do Sistema Nervoso Central, tumores ósseos e linfoma são os cânceres infanto-juvenis mais recorrentes. “Diagnosticado o tipo da doença, o tratamento começa imediatamente. Dependendo da extensão do caso, o paciente pode passar por cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou a junção de ambos. Independente do tipo de tratamento, ele deve ser realizado de forma integrada com a equipe multiprofissional (enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, fisioterapeutas, entre outros), que auxiliam nas possíveis alterações físicas e emocionais que podem ocorrer no tratamento”, explica Dr. Tadeu.


Camyla Nóbrega - Assessoria de Imprensa do HCP

Nenhum comentário:

Postar um comentário