Redes socias

Brasil Multi Vídeos

Brasil Multi Vídeos
O seu canal de entretenimento

RDS

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Falta de chuva deixa barragens de cidades de PE em situação de alerta

Do G1 PE.







   A falta de chuva na Zona da Mata, no Agreste e Sertão de Pernambuco tem deixado o nível das barragens numa situação preocupante. O nível de alguns reservatórios está muito baixo, e outros estão secos ou quase secos. Moradores da região que não recebem água em casa estão tendo que recorrer a ajuda de carros-pipa. O problema foi mostrado no Bom Dia Pernambuco desta quarta-feira (21/1).

   A barragem de Brejinho, que abastecia o município de Triunfo, no Sertão, está seca desde novembro de 2014. Famílias da região precisam comprar água para fazer as tarefas domésticas. "Não é barato", diz a motorista Marluce Pereira. Já no Agreste, a barragem de Jucazinho, que abastece a cidade de Surubim e outras 14 da região, conta apenas com 13% da capacidade.

   Na Zona da Mata Sul de Pernambuco, a água do Rio Una está sendo usada em Palmares, mas os moradores convivem com o racionamento. A água só chega na torneira a cada dois dias. "Eu junto água na caixa e no tonel, porque pode chegar e pode não chegar", conta a dona de casa Viviane Ferreira.

   O presidente do Serviço Autônomo Água e Esgoto (SAAE) em Palmares, Alexandre Leão, explica que a região é rica em água, mas não tem armazenamento compatível. "Nós não temos barragem de grande porte que acumule água no inverno, para que, no verão, venha a abastecer normalmente a nossa cidade", aponta.

Previsão de chuva


   De acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), a chuva mais intensa só deve chegar no Agreste e na Zona da Mata em abril, que é quando normalmente começa o período chuvoso. A situação no Sertão é ainda mais preocupante, já que a época chuvosa deveria ser no início do ano.

   Conforme o meteorologista Roberto Pereira, a previsão é que o volume de chuvas seja 30% abaixo do habitual. "Com base nos últimos 30 anos, chove em torno de 400 milímetros, mas a previsão é que chova em torno de 270 mm", detalha.

   Pereira lembra ainda do El Niño, fenômeno climático que altera o tempo em vários pontos do continente. "É um aquecimento nas águas do Oceano Pacífico, que faz com que ocorram ventos secos, que descem sobre a região Nordeste, inibindo a formação de nuvens e, portanto, afastando a possibilidade de chuva", explica.


Nenhum comentário:

Postar um comentário