Pets tornam as ruas e as casas mais leves durante a quarentena

Enquanto tantas pessoas cumprem isolamento social, cães são presença diária nas ruas, com passeios agora mais modestos e regrados. Em meio à nova rotina e incertezas geradas pela doença, um animal brincando ou explorando um canteiro de árvore pode despertar um sorriso e aliviar o estresse.

Para os pets, a voltinha vai além do momento de fazer as necessidades. É quando têm contato com o mundo, gastam energia e aprendem pelo olfato e com a socialização. O shih-tzu Sheike, de dois anos, sabe bem como é isso. Mesmo com a quarentena em São Paulo, ele sai duas vezes por dia e faz o que mais gosta pelo Jardim Ester (zona oeste): cheira o mato, corre atrás de pombas e passarinhos, brinca com os amiguinhos na praça.

Os passeios duram aproximadamente uma hora e meia, diz o técnico de enfermagem Carlos Joaquim Fernandes, 57. O cachorro volta cansado, mas –depois da devida higiene das patinhas– ainda tem fôlego para brincar com a bolinha. "Ele é muito companheiro, só dá alegria", afirma o tutor.

Grandes amigos e às vezes única companhia, animais são também aliados da saúde mental. Estudos mostram que eles facilitam a interação entre pessoas, diminuem a solidão e fazem bem à saúde. Nino, de quatro anos, foi adotado pela técnica em enfermagem Aparecida Araújo da Silva, 61, após uma tragédia: a morte de Paçoca, atropelado na calçada, na porta de casa. A tutora conta que Nino é irmão biológico de Paçoca, brincalhão e ciumento. 

Com o coronavírus, seus passeios próximos a uma praça no Jardim São Jorge (zona oeste) foram adaptados para horários com menos gente na rua e têm um trajeto de cerca de 3 km, calcula Aparecida. Ele conhece todas as árvores do percurso e tem um monte de amigos.

No mesmo bairro, a família da coordenadora de RH Dayana Lopes Floriano da Silva, 36, inclui seis cachorros e dois gatos, com idades entre 4 e 16 anos. Os mais velhinhos não costumam sair, outra cadela só passeia no carro, mas Patucha, 6, e Netinho, 5, são as companhias quando o pai da Dayana vai comprar cigarros. 

Tranquila, Patucha gosta de farejar a rua, mas é atenta e pode avançar se sentir que seu Juscelino corre algum perigo. Já Netinho prefere abocanhar algum mato que encontra pelo caminho. Autoridades de saúde monitoram os casos de coronavírus e afirmam que não há indícios de que animais de estimação transmitam a doença a seres humanos.

Com as recomendações de distanciamento, porém, a orientação é fazer passeios curtos com os pets, em horários e locais de menor movimento, com apenas um responsável. Na volta, as patas devem ser limpas com água e sabão. A higiene é preocupação da advogada Tatiane Andressa Westphal Pappi, 39, sempre que Thor, 8, retorna da rua, nos Jardins (região central). Ela diz que o buldogue francês sabe quando é hora de passear, interage com pessoas, mas não gosta da aproximação de outros cachorros.

Segundo Tatiane, a saída serve para o cachorro se exercitar. Em casa, brincar com o ossinho é a diversão favorita, além de aproveitar o home office para ficar perto da tutora. "Ele está um grude. Onde eu vou, ele vai atrás." Na mesma região, o spitz alemão Bento, 4, fica feliz quando pode entrar nas lojas em sua caminhada, encontrar amigos e ganhar carinhos. Com a quarentena e comércios fechados, porém, resta cheirar e olhar as fachadas, segundo o publicitário Sidnei da Cunha, 53.

Mais curtos nos dias úteis, os passeios do spitz podem chegar a uma hora nos finais de semana, com cuidados incluem limpeza das patinhas e da coleira. De acordo com o tutor, agora menos pessoas se aproximam para brincar com o cachorro, que é tranquilo.

Já o maltês Toy, 2, sai para espairecer, e sua tutora, a designer gráfica Helena Motta aproveita para se exercitar. Ele percorre ruas dos Jardins em um carrinho para pets. Caseiro e cheio de brinquedos, não gosta da rua, afirma a tutora. Mas ama o carrinho. Fica quietinho no trajeto e só se agita quando tem vontade de fazer as necessidades. Porém, fica pouco no chão. Anda uma quadra e logo quer voltar para seu meio de transporte.

Helena, no grupo de risco para Covid-19, diz ter saído pouco de casa, mas tem a companhia de Toy. "Ele é muito companheiro e deixa as coisas leves." Opinião parecida é compartilhada por Carolina Bezerra, 35, que mora com Puppy, 3. A gerente comercial afirma que a cadela, da raça buldogue francês, é companhia não só em época de isolamento. 

A tutora conta que sente a cadela mais apegada após o período em home office. Dócil e sociável, Puppy sempre esperava brincar com algum cachorro ou pessoa nas ruas de Perdizes (zona oeste) em seus passeios, reduzidos de duas para uma vez ao dia. Mas, receosa e preocupada com a higiene, Carolina diz agora evitar que desconhecidos toquem o animal.

TIRE DÚVIDAS SOBRE CORONAVÍRUS E PETS

Pets transmitem coronavírus?
Não há evidências de que animais de estimação transmitam a doença, mas as autoridades monitoram informações.

Estou com Covid-19. Posso ficar com o pet?
A recomendação é evitar proximidade com o bicho porque o contato de uma pessoa infectada pode deixar o vírus em sua pelagem. Contra uma possível transmissão, lave bem as mãos antes e depois de interagir com o animal.

Posso passear com o cachorro na rua?
O tutor deve obedecer às regras sanitárias de sua cidade. Se não houver restrição, pode sair com o animal, mas a recomendação é de passeio curto, em horas e locais com menos movimento. Apenas uma pessoa deve ir e deve ser evitado contato com outros animais e pessoas. Ao voltar para casa, as patas devem ser higienizadas com água e sabão neutro.

Com que frequência o animal deve tomar banho?
Com passeios mais curtos, banhos podem ser dados com menos frequência –quinzenal ou mensalmente–, se o animal não tiver problemas dermatológicos, afirma a veterinária Rosangela Ribeiro Gebara.

Pet shops funcionam?
Na cidade de São Paulo, podem funcionar atividades de saúde animal, além de banho, tosa e hotel para cães, desde que sejam prestadores de serviços veterinários ou comercializem medicamentos e alimentos para animais.

Devo levar o pet ao veterinário?
A orientação do Conselho Federal de Medicina Veterinária é para que as clínicas façam apenas atendimento emergencial e estritamente necessário. Caso o animal apresente alteração, o tutor deve ligar para o veterinário e, se necessário, agendar consulta.

Fonte: Folha PE
Tecnologia do Blogger.