Portugal suspende voos do Brasil e Pernambuco perde única ligação direta com outro país


A partir desta sexta-feira (29), até o dia 14 de fevereiro, os voos entre Brasil e Portugal estão suspensos. A decisão anunciada nesta quarta-feira (27) pelo governo português, em razão do aumento dos casos de infecção da covid-19 em Portugal e a detecção de novas variantes da cepa em território brasileiro, afeta diretamente Pernambuco. O Estado fica, assim, sem sua última ponte aérea internacional.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, Pernambuco só contava com quatro frequências semanais de voos internacionais, e todos eles para Lisboa, capital portuguesa, por meio da TAP Air Portugal. O que significa que quatro voos saíam de Pernambuco e quatro voos chegavam no Estado.

Segundo o presidente da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), Antonio Neves Baptista, até meados de março de 2020, a TAP operava, aproximadamente, com dez frequências semanais. "A demanda, por conta da pandemia, já havia baixado bastante. E esses voos, por enquanto, vinham atendendo a demanda necessária que tinha no momento, antes da suspensão que foi anunciada", afirmou.

Procurada pelo JC, a TAP Air Portugal afirmou que "irá cumprir todas as orientações do governo português", mas que ainda irá analisar a situação e informar aos passageiros como devem proceder em relação às passagens que já haviam sido compradas. A empresa aérea havia retomado os voos para o Recife no dia 3 de agosto de 2020, após o governo federal brasileiro reabrir parcialmente as fronteiras aéreas, fechadas desde março do mesmo ano.

Antes da pandemia, porém, segundo Baptista, o Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre operava com voos diretos para os Estados Unidos (Miami, Fort Lauderdale, Orlando), Argentina (Buenos Aires, Córdoba, Rosário), Uruguai (Montevidéu), Chile (Santiago), Portugal (Lisboa), Espanha (Madrid), Cabo Verde (Ilha do Sal), e Panamá (Cidade do Panamá). "Lembrando que, com esses voos, a gente se conectava com quase todo o mundo", ressaltou.

Com exceção do Chile, todos os voos contavam com mais de uma frequência semanal. No Brasil, em 2020, conforme divulgou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), foram transportados 6,75 milhões de passageiros pagos no mercado internacional. Uma queda de 72% quando comparado ao ano de 2019.

De acordo com a nota divulgada pelo governo de Portugal, estão permitidos apenas "voos de natureza humanitária para efeito de repatriamento dos cidadãos nacionais e membros das respectivas famílias, bem como de titulares de autorização de residência em Portugal". Estes cidadãos, no entanto, precisam apresentar o teste RT-PCR com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores ao embarque.

Ao chegar em Portugal, os passageiros devem cumprir um isolamento de 14 dias em domicílio ou em local indicado pelas autoridades sanitárias. Segundo o presidente da Empetur, os únicos voos autorizados devem contar como ponto de partida e de chegada o Estado de São de Paulo.

Na avaliação de Antonio Neves Baptista, a partir de conversas com as empresas aéreas, os voos internacionais em Pernambuco só devem ser retomados no segundo semestre de 2021. "Isso vai variar muito de acordo com o quadro da pandemia não só no Brasil, mas também no mundo inteiro (...) a realidade é que esse retorno só vai ocorrer quando, de fato, houver uma estabilidade na contaminação da covid-19", frisou.

OUTROS PAÍSES

Ontem, o governo colombiano também decidiu suspender a partir da sexta-feira todos os voos com o Brasil devido à detecção de uma nova cepa de covid-19. "Como medida preventiva e por um período de 30 dias, enquanto se fazem todas as observações, são tomadas (...) as medidas de restrição de voos da Colômbia para o Brasil ou do Brasil para a Colômbia", disse o presidente Iván Duque.

Já o governo da Argentina, grande público internacional de Pernambuco, também anunciou medidas restritivas para o turismo com o Brasil. Segundo a ordem, as companhias aéreas comerciais devem reduzir a frequência dos voos de e para Brasil, México, Estados Unidos e Europa.

De acordo com a Administração Nacional de Aviação Civil (ANAC), a diretiva foi tomada por iniciativa do Ministério da Saúde devido à situação epidemiológica. "As companhias aéreas que operam de e para Estados Unidos, México e Europa deverão alterar suas programações regulares para reduzir em 30% os voos semanais de passageiros desses destinos", explicou a ANAC argentina.

No caso das companhias que operam de e para o Brasil, deverão reduzir em 50% os voos semanais de passageiros, diz o texto. Essa medida, em vigor a partir desta quarta-feira, começará a ser aplicada a partir de 1º de fevereiro por questões operacionais, segundo fontes governamentais citadas pela imprensa local.

O Peru também suspendeu, na última terça-feira (26), voos para o Brasil. Na segunda-feira (25), o presidente americano Joe Biden já havia anunciado a retomada da proibição de viajantes brasileiros entrarem nos Estados Unidos.

Por: JC NE10

Tecnologia do Blogger.