Redes socias

Brasil Multi Vídeos

Brasil Multi Vídeos
O seu canal de entretenimento

RDS

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Polícia Federal apreende carros e outros bens na casa de Eike Batista


Do G1.





   A Polícia Federal apreendeu nesta sexta-feira (6/2) carros e outros bens na casa de Eike Batista, no Rio, que vão ser leiloados para cobrir multas e indenização se o empresário for condenado. Eike Batista responde por seis crimes na Justiça Federal.

   A Lamborghini branca tinha lugar de destaque na casa do empresário Eike Batista. Nesta sexta-feira (6/2) o carro, avaliado em quase R$ 2,5 milhões, foi parar no pátio da Polícia Federal.  Depois de cumprir mandados de busca e apreensão nas mansões de Eike Batista no Rio, os agentes apreenderam também um Porsche, avaliado em meio milhão de reais, um piano, R$ 130 mil, celular e um ovo Fabergé, relíquia russa que pode custar milhões de reais.

   Os bens de Eike Batista, de parentes e até da ex-mulher Luma de Oliveira foram bloqueados esta semana. O juiz responsável pela medida disse que o empresário estaria transferindo patrimônio aos herdeiros.

   “Nós temos provas concretas de que ele fez vultosas doações em dinheiro justamente no momento em que as empresas dele estavam em crise e que ele se dizia totalmente quebrado”, disse o juiz Flávio Roberto de Souza.

   Eike Batista responde por seis crimes na Justiça Federal, entre eles, manipulação de mercado, uso de informação privilegiada e formação de quadrilha.

   Em 2012, Eike Batista estava entre os homens mais ricos do mundo. Era o dono da 7ª maior fortuna, segundo a revista americana “Forbes”, calculada em US$ 30 bilhões, hoje cerca de R$ 83 bilhões. Mas em dois anos, o império que tinha como marca a letra X ruiu, puxado principalmente pelo fracasso da petroleira OGX.

   A crise atingiu outras empresas do grupo. Em 2014, a riqueza de Eike Batista não passava de US$ 300 milhões e, recentemente, ele chegou a declarar um patrimônio negativo de US$ 1 bilhão.

   O advogado de Eike Batista disse que vai recorrer da decisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário