Redes socias

Brasil Multi Vídeos

Brasil Multi Vídeos
O seu canal de entretenimento

RDS

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Aldemir Bendini é o novo presidente da Petrobras



Do G1.




   O Conselho De Administração da Petrobras aprovou nesta sexta-feira (6/2) em São Paulo, Aldemir Bendini, como novo presidente da empresa. Ele vai substituir Graça Foster que entregou o cargo na quarta-feira (4/2).

   O nome do novo comandante da maior empresa brasileira era aguardado com ansiedade pelo mercado financeiro. Foi em um prédio na Avenida Paulista, coração financeiro de São Paulo, que o Conselho de Administração da Petrobras ficou reunido desde às 9 horas da manhã.

   Os dez conselheiros da empresa ficaram até as 15h30 a portas fechadas para escolher a nova diretoria. A votação é feita pela maioria dos votos e não por unanimidade.

   A expectativa era que os nomes do novo presidente e dos diretores fossem divulgados só no fim da tarde. Mas, bem antes disso, às 10h30 da manhã, a comentarista de política da Globo News, Cristiana Lôbo, antecipou a notícia: “o nome que sai do mercado é de Aldemir Bendini. Essa informação vem do mercado e a presidente Dilma Rousseff desde quinta-feira (5/2), segundo os assessores conversava sempre com um nome secreto. Este nome é Aldemir Bendini, atual presidente do Banco do Brasil”, afirmou Cristiana Lôbo.

   Aldemir Bendine tem 51 anos e começou a trabalhar no Banco do Brasil com 14 - ainda como menor aprendiz. O primeiro emprego foi em uma agência em Paraguaçu Paulista, cidade onde nasceu no interior de São Paulo.

   Bendine chegou à presidência do banco em abril de 2009, a convite do então presidente Lula, com a missão de baixar juros e ampliar o crédito. Na época, o nome dele enfrentou resistências no mercado financeiro

   Durante a gestão de Bendine, o Banco do Brasil saltou de R$ 685 bilhões em ativos - um indicador que mede o tamanho de uma instituição - para R$ 1,432 trilhão. O Banco do Brasil é o maior banco da América Latina, em ativos.

   A escolha de Aldemir Bendine para comandar a Petrobras foi da própria presidente Dilma. Bendine é considerado um executivo que cumpre missões do Planalto, um nome que ganhou a confiança de Dilma pelos bons resultados na administração do banco.

   Embora não seja filiado ao PT, Bendini é próximo do partido e vem ocupando cargos indicados pelo governo. Bendine nunca atuou na área de petróleo e gás e vai precisar elaborar um plano para recuperar a credibilidade da empresa.

   Assim que o nome de Bendine foi conhecido no meio da manhã, o mercado financeiro reagiu mal e os investidores começaram a vender as ações da empresa.

   Os papéis despencaram logo na abertuda do pregão, assim que Cristiana Lôbo antecipou o nome do novo presidente. Depois o preço ficou oscilando até cair 9% depois da confimarção de Bendini. As ações fecharam em baixa de quase 7%, valendo R$ 9,12. O Ibovesba também fechou no vermelho.

   “O mercado não gostou. Foi um nome negativo para o mercado, dado que o mercado esperava um nome de mais peso e mais independente em relação ao governo. O mercado precisava de um choque de credibilidade, e não foi o que veio”, afirmou o analista da XP Investimentos Ricardo Kim.

   A confirmação do nome do novo presidente era esperada para depois do fechamento do mercado, como normalmente acontece quando há um fato importante como esse. Mas ela veio às 15h20 da tarde, para evitar oscilações ainda maiores no preço da ação.

·      Fábio Moser, gestor de recursos: o mercado já sabia quem seria o novo presidente da Petrobras antes do Conselho ter decidido.

·         Jornal Nacional: isso não pode acontecer né?

·         Fábio Moser: não deveria.

   A Comissão de Valores Mobiliários, que fiscaliza o mercado de ações, informou que abriu um processo administrativo para analisar assuntos relativos à renúncia da Graça Foster e dos cinco diretores.

   Na nota divulgada, a Petrobras diz que o Conselho de Administração aprovou, por maioria, Aldemir Bendine para ocupar o cargo de presidente da empresa, substituindo Graça Foster - que também se desligou do Conselho de Administração da estatal

Também foram anunciados os cinco novos diretores da Petrobras:


   Ivan de Souza Monteiro será o novo diretor inanceiro e de relacionamento com investidores. Monteiro era vice-presidente do Banco do Brasil. Ele vai substituir Almir Barbassa, que estava na diretoria da Petrobras desde 2005.

   Os outros quatro diretores foram anunciados de forma interina, ou seja, não são definitivos:

   Solange da Silva Guedes ficará na área de Exploração e Produção, no lugar de José Miranda Formigli. Jorge Celestino Ramos vai substituir José Carlos Cosenza na diretoria de Abastecimento. Hugo Repsold Júnior será diretor da área de Gás e Energia. Ele ocupará o cargo que foi de José Alcides Santoro Martins e Roberto Moro vai para a diretoria de Engenharia, Tecnologia e Materiais no lugar de José Antônio Figueiredo

   “Não adianta nós acharmos que uma coisa que demorou tanto tempo para ser destruída, vai ser reconstruída de um dia pro outro, vai ser pouco a pouco. A Petrobras ela perdeu esse processo de perda de confiança vem de muito tempo, então não é um nome que vai mudar isso”, ressalta Fabio.

   No Conselho de Administração, a votação da Petrobras que elegeu Aldemir Bendini foi dividida. Três dos dez conselheiros foram contra a indicação.

   O representante dos acionistas minoritários no conselho, Mauro Rodrigues Cunha, protestou. Ele disse que os conselheiros souberam do nome do novo presidente pela imprensa, antes de o assunto ser discutido e afirmou que o acionista controlador mais uma vez impôs a vontade sobre os interesses da Petrobras, ignorando os apelos de investidores de longo prazo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário