Projeto de senadora garante “Bolsa internet” para famílias carentes

Está em tramitação no Senado Federal um projeto para facilitar o acesso de pessoas carentes a internet. A proposta foi apresentada pela senadora Daniella Ribeiro (Progressistas) e destina auxílio financeiro para pagamento dos serviços de telecomunicações, durante o período da pandemia do novo coronavírus. A medida determina a transferência de R$ 100,00, por mês, oriundos dos Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust), para cada família cadastrada no CadÚnico custear os serviços.

“Essa quantia é suficiente para manter, de maneira ininterrupta, os serviços de telecomunicações que essas famílias precisam para amenizar os efeitos do isolamento social necessário para debelar a pandemia”, disse a senadora.

Os R$ 22 bilhões que operadoras acumularam no Fust, desde a sua criação em agosto de 2000, segundo a senadora, devem ser utilizados neste período de emergência. A demanda aumentou e com o declínio da atividade econômica muitas famílias perderam renda e enfrentam o desemprego. Como consequência, as operadoras sofrem o impacto da inadimplência.

Daniella disse que projeto é uma alternativa tanto para ajudar as famílias a terem acesso aos serviços de telecomunicações, e, ao mesmo tempo, às empresas que resistem ao risco de paralisar as operações por conta da inadimplência. As operadoras já foram compensadas com a edição da Medida Provisória 952/2020. Esta MP prorrogou o prazo para pagamento dos tributos incidentes sobre a prestação dos serviços para tentar impedir a sua interrupção.

O projeto da senadora também garante que os recursos sejam transferidos diretamente às famílias beneficiadas para evitar qualquer direcionamento. “Assim, as próprias famílias terão liberdade na escolha do serviço e da prestadora que melhor lhe convierem, consoante critérios de necessidade, qualidade e preço”, ressaltou a senadora.

O benefício financeiro pode ser transferido, de acordo com o projeto, por meios de pagamento que garantam seu uso apenas para custear os serviços de telecomunicações. Entre eles, os cartões eletrônicos ou as contas digitais, com finalidades específicas.

O projeto da senadora propõe ainda aperfeiçoar a Lei 9.998/2000 para conferir maior segurança jurídica à proposta.

Para isso, sugere a criação de um Comitê Gestor para o Fust, formado por agentes públicos e representantes do setor privado e da sociedade civil. Esse comitê terá como atribuições a formulação de políticas, diretrizes gerais e prioridades que orientarão as aplicações do fundo, assim como a definição de programas, projetos e atividades financiados com recursos do Fust.

Fonte: Jornal de Caruaru
Tecnologia do Blogger.