Moro diz que não agiu com parcialidade no julgamento do ex-presidente Lula


"O Brasil não pode retroceder e destruir o passado recente, de combate à corrupção e à impunidade, pelo qual foi elogiado internacionalmente”, afirmou o ex-juiz.

O ex-ministro Sergio Moro negou parcialidade ao julgar o caso que condenou o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex do Guarujá, no âmbito da Lava Jato. De acordo com Moro, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) não houve “animosidade” da sua parte ao analisar o caso do ex-chefe da nação brasileira.

“Todos os acusados foram tratados nos processos e julgamentos com o devido respeito, com imparcialidade e sem qualquer animosidade da minha parte, como juiz do caso”, disse em nota.

No documento enviado, o ex-juiz também afirmou que “o Brasil não pode retroceder e destruir o passado recente, de combate à corrupção e à impunidade, pelo qual foi elogiado internacionalmente”.

Ainda de acordo com Moro,

“A preocupação deve ser com o presente e com o futuro, para aprimorar os mecanismos de prevenção e combate à corrupção e, com isso, construir um país melhor e mais justo para todos”, finalizou.

Deliberação

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 3 votos a 2, declarar a suspeição do ex-juiz Sergio Moro em processos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na prática, a decisão significa que o colegiado entendeu que o ex-magistrado não analisou o caso do petista com imparcialidade, e, por isso, as ações devem voltar à estaca zero.

Por: Portal de Prefeitura

Tecnologia do Blogger.